quinta-feira, 6 de junho de 2013

Eu que amava cartas, agora as odeio.

Chegou a hora de falar, pois não aguento mais guardar dentro de mim.

Há quase três anos, encontrei o amor da minha vida. Há quase três meses, tudo desmoronou. Há quase três meses, a pessoa que eu mais amei na minha vida precisou ir embora, assim, de repente, pra salvar a própria vida. Pra salvar a nossa vida. Pra salvar todas as vidas que, supostamente, existiriam a partir de nós. Foi aí que me vi sem chão. 

Uma parte de mim se foi, levando a outra que restava. As notícias que recebia eram poucas, através de cartas. Cartas que não pareciam ser de quem eu tanto gostei, de quem eu realmente amava. Sem coragem, acumulei duas até resolver responder. 

Senhoras e senhores, eu que vos escrevo costumava amar cartas. Porém, hoje as odeio. Do fundo do meu coração, de minha alma e de meu cérebro, eu realmente as odeio.

No dia em que resolvi respondê-la, fui sincera sobre tudo que estava sentindo, sobre o que suas cartas me traziam e como tinha vontade de desistir. É difícil aceitar que a pessoa que você se apaixonou, não exista mais. Que, num ato egoísta e fora de si, ela simplesmente desapareceu pra nunca mais voltar. 

Eu sei, todo mundo erra, todo mundo se perde. Mas as cartas, elas se perdem e fazem as pessoas se perderem mais ainda. Depois que começamos a nos corresponder, elas se desencontraram e desencadearam um processo infinito de erros, causando danos irreparáveis. 

Prezados que leem o meu relato: Eu talvez saiba como consertar o erro. Eu talvez possa consertar. Mas o que é que eu faço, se não quero? Se tenho me erguido sozinha depois de tudo e não quero mais correr o risco de desmoronar outra vez? "Pois o meu coração está nas entrelinhas, e isso você não sabe ler".

Da mesma forma que não a julguei e não fiz falsas promessas quando resolveu ir embora, gostaria que ela e nem ninguém me julgasse por querer viver a minha vida do jeito que bem entendo. Me digam vocês! Como é que vocês ficariam se o que vocês mais amam e acreditam fosse, simplesmente, mentira? Parece difícil, não é? E é. 

Eu já vi histórias de pessoas que morreram e suas cartas só chegaram ao destino depois que não havia mais solução. Vi amores terminarem por falta de respostas. Hoje, vejo pessoas terminando relacionamentos por bobeiras como "Ele visualizou! Visualizou a mensagem e não respondeu!". Pra vocês que são dessas, eu digo: Queria saber que ela visualizou e não respondeu. Queria saber que ela ao menos leu. Mas não tem como saber. Pois as cartas, elas não vem com aviso de recebimento. 

Um comentário: