quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Os rascunhos impublicáveis - I

Ontem, sentada em uma lanchonete qualquer no centro da cidade, nossa música tocou.

Você sempre está presente, espalhada em pedacinhos pelas coisas que encontro nos meus dias. Você faz isso de propósito? Eu talvez não tenha sido a melhor pessoa pra você, nem mesmo te feito tão feliz quando você sempre sonhou, mas eu fiz o meu melhor. E agora, é isso que você faz? Se esconde em cada e qualquer coisa que aparece em minha frente, me fazendo lembrar o quão imensa é a falta que sinto de você? Pode parar. Por favor. Pare de se esgueirar por cada beco de cada rua que passo, aparecer em meio a cada música nova que componho e até em cada pensamento que me ocorre. A falta que sinto é do que fomos. E do que poderiamos ser.

"(…) E entre tudo que ela poderia ser pra mim, ela escolheu ser saudade.".

Nenhum comentário:

Postar um comentário