quarta-feira, 25 de julho de 2012

O Eterno ou o Não dá.

Me deparei com uma situação perfeita e diretamente relacionada ao que andei pesquisando essa semana. Eterno Retorno.

Eterno Retorno é representado pelo Ouroboro (ou oroboro). O desenho de uma serpente ou dragão comendo a própria cauda. Representa os acontecimentos, os cíclos que se repetem. PORÉM, mostra também que, dentre esses cíclos, há sempre a evolução. A nova camada. Amor é Eterno Retorno. É sempre a mesma história, sempre os mesmos começos, mesmos fins. Mas sempre se acrescenta algo, sempre se leva uma lição pra aplicarmos a próxima vez.

Até aí tudo ótimo, viver de Eterno Retorno é rotina.
Agora, quando se transforma em Circulo Vicioso, o buraco é mais embaixo. Círculo vicioso é uma sucessão, geralmente ininterrupta e infinita, de acontecimentos e conseqüências que sempre resulta numa situação que parece sem saída e sempre desfavorável, principalmente para quem se vê capturado por esse tipo de relação. 

Cansei de circulos viciosos, cansei de ser sempre a mesma coisa. O problema, é que nessa situação, tenho que ir contra e reformular a frase: Não caberá ao nosso amor o eterno ou o não dá. Não cabe a nós. Mas, a quem cabe então?

2 comentários:

  1. Acho que cabe a nó sim. Tá na hora dá gente dar a cara a bater e tomarmos para nós a responsabilidade daquilo que acontece conosco. Se não deu certo foi nossa culpa sim. Mas a gente aprende errando, certo? Então, da próxima vez, viu que não tá legal, não dá. Que o eterno uma hora vem.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não nesse caso, Marcelo. Em todos os outros sim. Mas nesse, a história complica.

      Excluir