sábado, 21 de maio de 2011

Best of me. Best of you.



Aquele poderia ser o último dia. Poderia ser só mais um dia também. Mas na dúvida, não queria que tudo acabasse com tudo errado. Criou coragem, e prometeu a si mesmo que seria a ultima vez. Já havia feito esta promessa várias vezes, mas tudo bem. Quem garante que dessa vez não daria certo? Na realidade, não acreditava que fosse cumprir, mas mesmo assim, tentou. Foi em frente, entrou, e se deparou com o que sempre encontrava naquele lugar. Esperava as mesmas reações esboçadas, as mesmas cortinas, e a mesma canção.

 -Ok, vamos acabar logo com isso;  pensou.

Mais um passo. Start.
Pra seu espanto, era a mesma canção, em uma voz diferente.
Eram as mesmas reações, mas de uma forma diferente!
Olhava pros lados, e a sensação de medo passava. Medo. 
Era isso que sentia quando voltava aquele lugar, mas sem realmente saber.

De início, desconforto. Seguiu em frente. Devagar. Realmente não sabia o que encontrar. 
Agudo. Refrão. Nunca havia sentido o que sentia agora. Ou já, só que não se lembrava.
Finalmente, chega o fim da canção, e o fim do percurso. Tudo diferente. Tudo mais simples, e me arriscaria a dizer: Esclarecido.

Finalmente se sentia livre, e bem. Não existia mais aquele sentimento, sensação, emoção ruim dentro de si. Neste dia, o caminho percorrido por um longo tempo estava diferente. Com flores novas, em uma outra estação. Voltaria? Ah, essa é uma boa pergunta. Provalvemente não, pois pensa que a sensação pode voltar a ser ruim. Mas guardaria, sem dúvida alguma, na memória, aquele percurso. Aquele dia. Aquela tarde. Aquela música.

Nenhum comentário:

Postar um comentário